Pages

Cá estou



Perdoa-me, tu que por aqui passas,
Por este repentino mergulho meu no silêncio…
…outros mergulhos podem acontecer, sem aviso prévio…
Os tempos do Espírito de Deus também não são como os nossos
“ Mil anos a Vossos olhos são como o dia de ontem que passou…”
Mas, cá estou de novo, enfim…





Encontrei aquela estranha figura carismática, de novo, com quem ninguém consegue reagir indiferentemente… umas vezes bem e tantas vezes mal. Ousar dizer-lho é coisa de gente tola, seria como enfrentar um animal bastante selvagem e arriscar-se a ficar sem um bocado de si…como já vi acontecer. Seria loucura, sim, porque apontar directamente a alguém os erros que comete dizendo: “Fizeste mal” absolutamente nada faz de positivo… ao contrário da belíssima intervenção “Porque fizeste isto?”= Diálogo, escuta, compreensão, respeito pelo outro.
É, sim. Faz lembrar aquela passagem do Evangelho em que Maria e José buscavam o Menino Deus, em Jerusalém, aquela cidade imensa naquela época do ano. “Porque fizeste isto? Teu pai e eu andávamos preocupados à tua procura!”
Quando se ama cada ser, vendo nele uma imagem ténue do Deus-Amor então se consegue desvendar parte do mistério desta ou daquela figura mais…difícil. Tenho constatado sempre que há sempre uma história de pouca maturidade afectiva… sim, carência de afecto, mais ainda naquelas almas que parecem rudes, agrestes, secas… essas almas são como uma pequena planta a quem faltou a água e o sol feitas carinho. E o que é isso do carinho, do afecto… do amor?... É Deus. Poucas foram talvez as pessoas, nos caminhos da vida, que lhe deram amor, que lhe deram Deus. Ele está em tudo, mas é preciso que alguém eduque o nosso olhar para O “ver”, e aprender a deixar-se amar por Ele. Será talvez a principal missão de todos nós, uns com os outros.

Hoje quero ficar ali, no alto do monte, para onde vai o meu Senhor Jesus, para falar com o Pai… Porque será que tinha o hábito de subir a um monte…?
O alto de um monte é o limite, aquele espaço onde acaba a terra e começa o céu… em todos os sentidos. Será bem difícil estar embrulhado nas coisas da terra e daí erguer os olhos para o céu, seria óptimo, mas nem o nosso Jesus o conseguiu ou quis fazer assim… de vez em quando, lá ia Ele subir o monte, não vivia lá, mas para lá subia muitas vezes. Neste mundo é sempre possível “subir ao monte” de alguma maneira, basta querer.

Santa Caminhada Quaresmal

3 comentários:

Eremita disse...

Linda mensagem cuja pedra de "toque" está aqui....
"Ele está em tudo, mas é preciso que alguém eduque o nosso olhar para O “ver”, e aprender a deixar-se amar por Ele...."
Bem-haja

Eremita disse...

Gostei tanto deste seu post,que dei a partilhar a outros amigos.Desculpe pelo atrevimento,mas penso que aquilo que nos toca deve ser partilhado,espero que não se importe.:)

elsa nyny disse...

Querido Anawîm!
Finalmente deste notícias! estava a ficar preocupada, mas ainda bem que foi só isso!

Adorei esta tua mensagem de AMOR!!
puro Amor que escorre entre cada palavra tua! Amei!!

Beijinhos do coração!!!
:)