Pages

É naquelas praias de todas as Galileias...


É naquelas praias de todas as Galileias
de todas as areias tristes, vazias, estéreis de vida nova…

“Rapazes, tendes alguma coisa para comer?” Jo 21

… mais uma vez, um estranho mete conversa
nas margens onde se retomaram aquelas redes
com sabor a desânimo, remorso e confusão
redes que se tinham deixado, há uns anos…

Anos em que se tornaram amigos do estranho, daquele diferente…
um Estranho que se tornou próximo, amigo,
o Irmão que mais amaram nas suas vidas…

Mas como a todos os profetas
também ao amigo tão presente o mataram os “da religião” cega, os dos poderes, os inimigos do Amor…
… porque ele vivia apaixonadamente o que acreditava ser a Notícia Nova e Boa:
O AMOR QUE É PESSOA E ABRAÇA E ESPERA OS NOSSOS BRAÇOS ABERTOS NO CAMINHO AO SEU ENCONTRO…
… pelos caminhos da Verdadeira Justiça do Amor, Deus-Pai/Mãe-Amor-Inteiro é próximo, está aqui, pode tocar-Se e viver-Se!...

É Notícia Boa porque liberta de todas as escravidões de cheiro a medo, a opressão, a injustiça… liberta de tudo o que não deixa o Coração respirar e sentir-se e ser vivo, e de pé!...

É Notícia Nova porque nunca se esgota em si… porque não morre ao som dos relógios deste tempo que conhecemos, que matam o que tem prazo…

Aquele estranho, não é agora mais estranho, é mais entranhado na vida do que eu na minha própria vida


Ai…. Yeshuah, nome que tanto amo,
com que tantas vezes foste chamado… tu, ó pobre de Nazaré…
Yeshuah, que sempre estás do lado dos que menos interessam,
dos que vivem longe de regras universais
e dos que não sabem nada de poderes acima de ninguém…
Yeshuah, amo tanto, mas tanto a tua vida.
Encanto-me, delicio-me com a proximidade, a presença tão viva
que aqueles que primeiro estiveram contigo nos deixaram por escrito.
Tornam-te tão presente aqui e agora…
Tu que és Homem Inteiro… Vivo… de pé!...
não és uma sombra, nem a tua presença se explica com “filosofias” ou teorias…
Estás aqui!
Estás aqui!
Estás aqui muito mais do que eu!...

Acende as brasas dos dias que passam desta minha vida
Assa nelas o peixe que alimenta com o pão que só tem sentido pleno partilhado
Come comigo essa refeição que não acaba
Bebe comigo o vinho da alegria que não morre nunca
Fica comigo esta “noite”…
Ensina-me a estar contigo
Ensina-me a caminhar contigo
Ensina-me a… viver como tu, contigo
SEMPRE

Ensina-me essa “dança”
Dança comigo, meu Amor
Dança comigo, meu Amor
e leva-me nos teus Braços, ao som das melodias do Sopro Divino
… leva-me para Casa

3 comentários:

joaquim disse...

Ao escreveres assim, ao transmitires assim o Deus de amor que habita em ti, já estás em Casa anawîm, porque tu próprio a ajudas a construir, a crescer para albergar todos os que a Ele se querem recolher.
A imagem que escolheste para o titulo do blogue toca-me profundamente...
Sabes que vejo o Pai assim com cada um de nós, quando aceitamos a nossa cruz, a dizer-nos: Estou aqui, estou aqui e abraço-te, acolho-te, recebo-te!
Abraço apertado em Cristo que nos leva ao Pai, que nos leva a Casa

anawîm disse...

Amigo Joaquim...
que delícia encontro nas tuas palavras...
... é mesmo, a "construção" já a começamos aqui, em que cada pedra da Casa é um dócil Coração. Todos começamos a nascer aqui, filhos no Filho Amado, Corações no Coração do Filho Amado...
... em que a cruz não será tanto para ser aceite, mas é o culminar de uma nunca negação da Verdade... ainda que O tenham morto, jamais morrerá, com essa Verdade Única em que o Abba assumiu e tomou partido por ele...

Agradeço muito ao nosso Bom Deus por ti, Joaquim! Um grande Abraço!...

Ni disse...

Anawîm... esta é a tua casa... a Sua casa... é a vida!
Sabes, quero ser um dos que menos interessa, mas que dança, dos que não é afortunado, mas amado, dos que não teoriza, mas sente.
Quero ter sempre este Amigo "estranho".