Pages

Está sempre na hora...


Era uma vez um semeador que, um dia, saiu a semear… lançou a semente na terra, esperando que ela germinasse, mas, nessas estações, nem toda ela germinou… muita da semente ficou ainda debaixo da terra.

Havia pessoas grandes que reclamavam como seu o campo onde ele havia semeado e, revoltando-se contra ele mataram-no…
Mas, o semeador tinha amigos a quem havia conferido a missão de zelar pela semente, para que ela pudesse nascer, crescer e dar muito fruto.
Em memória do semeador, estes amigos começaram a reunir-se para lembrar tudo o que ele lhes havia ensinado sobre o modo de cuidar da semente…
… e eles começaram a “estudá-la”, a perceber que o vento, a chuva e o sol contribuíam bem ou mal para que ela germinasse bem e desse bom fruto.
Então começaram a criar uma dança de um ritmo que, aos poucos, foi perdendo o sentido, esses amigos do semeador morreram… outros amigos desses amigos continuaram essa dança e essas lembranças, até que alguns deles quiseram colocar por escrito o que o semeador havia ensinado sobre o modo de cuidar da semente… mas já foi tanto tempo depois, que já poucos se lembravam exactamente das palavras que ele dizia… então, pensaram escrever num modo meio poético de explicar o modo como cresceram com essa lembrança que ainda guardavam do semeador, para ser partilhada entre aqueles que se haviam feito amigos mais recentes desse semeador que havia morrido…
O tempo passou, a dança manteve-se, os amigos dos amigos dos amigos que sabem bem esta dança começaram a viver em palácios… continuaram a dançar, mas agora só dentro deles, já não sabiam porque tinham que dançar, e esqueceram-se que o semeador tinha morrido, mas estava vivo de uma vida confirmada pelo seu Pai.
Acho que foi porque os seus amigos gostavam tanto dele que continuaram a escrever, muitos anos depois, muitas coisas sobre ele. O que lhes tinha ficado na memória era aquele semeador tão extraordinário, que até se esqueceram que ele era mesmo só um semeador.
Há alguns amigos dele que acham que toda a semente que ele semeou já nasceu… mas não é verdade…
Há semente dele ainda por germinar e dar fruto…

Muitos destes amigo, desses que vivem em palácios… quando vêem alguma das sementes do semeador a querer espreitar um pouco de sol, correm a ir tapá-la com terra e a dizer-lhe:
“Não foste semeada pelo nosso semeador, por isso não podes nascer! Nós conhecemos todas as sementes do semeador e por isso te ordenamos que não nasças! Nós sabemos quando sopra o vento, sabemos quando chove, conhecemos todos os tempos e pelos nossos cálculos não podes nascer, porque não foste semeada pelo semeador.”

Mas nada a faz parar de crescer…
Estes dizem saber quando é a altura adequada de germinar as sementes, dizem conhecer os tempos, o vento e a chuva… mas os tempos com o vento e a chuva passam e acontecem quando querem, e ninguém consegue prendê-los com a mão…
E há sementes a nascer, rompendo com violência a terra mais dura e mais seca… ninguém a consegue parar, por mais que zelosamente a queiram enterrar outra vez, ela germina aqui ou ali, ou em recantos, às vezes tão longe dos olhares dos grandes…
É semente semeada pelo semeador… e é alimentada pela terra, pela chuva, pelo sol… e os tempos bons ou maus que passam e acontecem sem que ninguém o possa prever ou controlar…

O Pai do semeador espera a colheita para a levar num braçado… ou num abraço…
Está sempre na hora de semear…
está sempre na hora de germinar…
Está sempre na hora de colher…
… e ninguém consegue deter a semente de dar muito fruto.
Amigo, li as tuas palavras como um desafio a tentar explicar-te o que sinto, sem a pretensão que fiques a pensar como penso e sinto
Agradeço-te por ti... escrevi estas palavras a pensar em ti e em todos os que buscam o nosso Deus de Coração aberto e disponível...

6 comentários:

Mila disse...

Pois é Anawim... eu acho que o mesmo se passa neste cantinho e noutros aquí ao lado... são todos amigos do semeador. Todos os dias zelam pela semente dele,para que nasça, cresça e dê muitos frutos!

Um grannnnnde abraço!

Anónimo disse...

Anawîm.

Como é bom saber que na Igreja Católica tem pessoas que pensam como vc.
Creio que são as sementes rebeldes.


Abraços da amiga do Brasil.

Andante disse...

Ó Anawim!
Também quero aprender a dançar a dança da Semente e a saber transmiti-la como tutransmites.
Fiquei sem palavras.
Rejeito os palácios e os locais onde os poderosos se dão ares de sábios e sabichões.

Beijos peregrinos

Andante disse...

Ó Anawim!
Também quero aprender a dançar a dança da Semente e a saber transmiti-la como tutransmites.
Fiquei sem palavras.
Rejeito os palácios e os locais onde os poderosos se dão ares de sábios e sabichões.

Beijos peregrinos

Ni disse...

Eu quero nascer a cada dia longe do olhar dos grandes... quero dar muitos frutos e mostrar que as sementes são tesouro de que as semeia e cuida... quero estar em todas as horas... do abraço.

anawîm disse...

mila....
um grande abraço para ti! É preciso dar espaço à semente para ela nascer... é urgente!...

Amiga do brasil
Abraços rebeldes para ti, assim maiores que o oceano... eheh...

andante
eheh... eu cá acho que tens um jeitinho especial para dançar estas danças...
um abraço forte para ti

ni...
já estás a dar fruto e nem te dás conta disso, és o tesouro de Alguém, e em todas as horas Ele não consegues ter-te longe do Abraço dEle.
um abraço muito grande para ti... procura o sorriso que brilha lindo dentro de ti