Pages

"Escravidão"... Liberdade... Verdade... Felicidade...



Os encontros com Jesus… com Yeshuah, que é um homem inteiramente livre, sempre provocaram a libertação (tantas vezes representada nas “curas”) dos que eram dominados, encurvados pelos dominadores,
e, ao mesmo tempo, provocavam o desconforto dos dominadores, esses que se sentam nos lugares altos com a intensão de aumentar sempre mais e mais o seu bem-estar, ou o seu ego, à custa da injustiça imposta àqueles que se colocam irremediavelmente ao seu serviço.

Mais do que as palavras ditas ou não pelo Yeshuah… a verdade do seu anúncio é a sua própria vida, completamente esvaziada de qualquer tipo de poder. E estranhamente é aqui que reside a sua maior força, o seu maior “poder” não-dominador mas libertador dos domínios… esse nunca querer possuir nada nem ninguém.
O anúncio da sua vida verdadeiramente livre choca e escandaliza a muitos…
Falar e viver agora, este acreditar e este seguimento desta vida livre de Jesus, de Yeshuah, choca e escandaliza a muitos também.
Yeshuah é o nosso Salvador… não em nome de nenhuma “transacção divina” em que todo o sangue ou a vida dele foi derramada para apaziguar a suposta fúria divina de Deus connosco, por sermos mauzinhos… Se assim fosse, então seria muito oportuna a questão também: Então porque nos criou Ele assim, desobedientes? Criava-nos obedientes e a questão ficava mais simples… deu-nos a liberdade de escolha, mas então porque não nos criou com o discernimento certo logo de uma vez? Pouparia muito trabalho, muita guerra, muita desonestidade, muita desigualdade…

Mas Deus, o Abba, é tão Deus… que nos criou em crescimento permanente… vamo-nos fazendo gente, cada vez mais humanos, e assim cada vez mais plenos do que somos, tal como Deus é plenamente o que é. Somos o bem mais precioso do Abba que vê no Yeshuah, aquele que nos salva de tudo o que nos prende, é aquele que nos salva, nos liberta de tudo o que não nos deixa que nós sejamos cada vez mais o que somos plenamente… que é o que o Abba vê e já ama tanto.

Esta Salvação não acontece no momento de uma morte por crucifixão.
Esta Salvação não acontece somente a partir do momento daquele nosso último nascimento, esse terminar de morrer para entrar na mesa do Abba.
Esta Salvação acontece agora, é esta Libertação que permite a própria construção pessoal, de modo consistente, equilibrado, feliz, garantido pelo Abba.

Impressiona-me sempre a fibra que precisam de ter os Nadadores Salvadores…
Um dos maiores obstáculos que um Nadador Salvador tem que enfrentar em condições sempre complicadas, nem é a força das ondas do mar ou a sua temperatura, pois está preparado fisicamente, treinado para isso…
… o que é sempre imprevisível é o estado da vítima a socorrer, sempre aflito por conseguir respirar e se manter à superfície, o pânico e o esbracejar descontrolado, e o querer agarrar-se ao Nadador... só atrapalha o salvamento, ou a salvação. É que é um momento fundamental para dar espaço à confiança… e ao deixar-se levar por quem sabe que o pode ajudar…
Em momentos de tão profunda angústia, divisão interior, em que toda a espécie de “deuses” que permitimos que nos dominem, nos escravizem dentro de nós e nos conseguem tornar miseravelmente infelizes quase podemos escutar o Yeshuah, de alguma maneira, dizer…
“Sossega… eu estou aqui
Sossega… eu estou aqui
Sossega… eu estou aqui
Deixa-me levar-te comigo, deste mar que estás a permitir que te engula
Deixa-me estar contigo através de tantas maneiras

Sossega… eu estou aqui
Deixa-te salvar, hoje, por mim
Se calhar não te tiro do mar que estás a permitir que te engula
mas vem, sobe para o meu barco
e descansa com a cabeça no meu colo.

Sossega… eu estou aqui
o que vives dói, mas é pequeno porque não é eterno
Olha nos meus olhos
Vê a verdade de ti, dentro dos meus olhos
Sossega… eu estou aqui”







2 comentários:

rui disse...

ANAWIM, precisamos de linguagens e imagens simples para anunciar o Evangelho, porque é bom demais para o calarmos, não é nosso para o guardarmos, e é belo demais para o querermos complicar...

Por isso hoje agradeço-te este post e, de maneira especial, agradeço-te MUITO a imagem do nadador-salvador e da maior dificuldade que enfrenta que é mesmo o pânico do que está para salvar... Fez um "click" qualquer ler isto. OBRIGADO

SHALOM

Inês Monteiro disse...

"Sossega… eu estou aqui
o que vives dói, mas é pequeno porque não é eterno..."
Tão importante para mim este pensamento! Que paz interior eu sinto por cada vez ter mais CONFIANÇA!!!

Um abraço Anawim